A habitação não é um jogo

O Escudo Identitário lamenta que não tenha havido um grande planeamento de modo a assegurar o direito de habitação para os Portugueses que auferem menos rendimentos e que, evidentemente, se encontram mais vulneráveis.

Esperamos, naturalmente, que seja dada uma resposta eficaz face a este problema como a isenção do pagamento de IMI, extensão de moratórias e um plano para a restruturação de dívidas para famílias portuguesas mais vulneráveis. O que não poderemos assistir é ao despejo de 60 mil famílias das suas casas.

Nos tempos em que estamos a viver, urge salvaguardarmos o Direito à habitação, pelo que, este não poderá ser submetido ao interesses do Capital, sejam estes oriundos dos bancos, do Estado ou de Bruxelas.