Honrar os antepassados (1914-1918)

A 11 de novembro de 1918 parou a guerra na Europa.
Depois de autênticos banhos de sangue e de uma chacina nunca antes vista, a Europa conseguiu pela primeira vez, desde 1914, vislumbrar a paz. Infelizmente, essa paz foi alcançada através supremacia dos “grandes” vencedores e não pela justiça entre as Nações, tendo, subsequentemente, conduzido a uma nova instabilidade europeia , dada a sua ineficácia em tratar como iguais todos os povos europeus, já que, essa paz, desprezou certos vencedores e esmagou todos os vencidos.
O Escudo Identitário lembra hoje os nossos antepassados que, combatendo sob a sombra da nossa bandeira nacional e cumprindo o seu dever perante as tristes decisões políticas de então, honraram Portugal com a sua bravura e heroísmo, consagrando à Pátria todo o amor e sacrifício que lhe puderam oferecer. Nas trincheiras lamacentas dos campos da Flandres, longe da Pátria e da família, esses Portugueses juntaram-se, em espírito ou em exemplo, a todos os nossos heróis do passado que, tal como eles, portaram os nossos estandartes por “perigos e guerras esforçados”.
Lembramos também todos os soldados de toda a Europa que pereceram defendendo a honra das suas nações num conflito que pôs irmão contra irmão.
Saibamos entender e honrar o sacrifício de todos os soldados de todas nações, para lutarmos agora, no nosso tempo, por uma Europa unida, respeitando a liberdade soberana de todas as Pátrias e unindo-as, como Mãe de todos os povos europeus, rumo a uma gesta que nos levará a uma nova era ao nível dos tempos gloriosos do nosso passado mais luminoso.

EUROPA-NAÇÃO-REVOLUÇÃO